Higiene – Limpeza e Lavagem Cerebral

29ae00“A característica notável restante de “Che” é a sua sujeira. Ele odeia se lavar e nunca o faz. Ele é imundo, mesmo pelo padrão de limpeza mais baixo comum entre as forças de Castro na Sierra Maestra. De vez em quando, “Che” leva alguns de seus homens a um riacho ou açude, para que ele possam se lavar. Nessas ocasiões, “Che” nunca se lava ou a suas roupas, mas senta na margem e assiste os outros. Ele é realmente excepcionalmente e espetacularmente sujo.”

― descrição ofensiva de Ernesto “Che” Guevara do dossiê de 1958 da C.I.A.

Até nos círculos alternativos mais radicais, é surpreendente como ouvimos alguém reclamar de pessoas que eles chamam de “hippies” ou “punks sujos”. “Esses punks sujos vieram aqui e deixaram o lugar todo fedendo”, costumam dizer. Que crime tão grave essas pessoas cometeram para serem tão vilificadas? Eles têm um orientação distinta da nossa na questão da “limpeza”.

hip_bath_victorian_woman_t-1A propósito, de onde vêm nossas ideias e valores da chamada “limpeza”? A civilização ocidental tem uma longo histórico de associar limpeza a bondade e ao mérito, melhor resumida pela velha expressão “a limpeza está próxima da Divindade”. Em peças de teatro da Grécia antiga, pessoas más e espíritos ― as Fúrias, por exemplo ― eram frequentemente descritos como sujos. As Fúrias eram sujas, velhas e fêmeas, exatamente o oposto de como o escritor que as descreveu se via; a sua sujeira, entre outras coisas, as identificava como excluídas ― como estranhas, animais, desumanas. Com o tempo, a limpeza se tornou uma medida com a qual os mais ricos se separavam dos pobres. Aqueles que possuíam riquezas e poder necessários para se permitir ficar dentro de casa, inativos, faziam graça dos camponeses e viajantes cujos estilos de vida envolviam sujar suas mãos e seus corpos. Através da nossa história, podemos ver que a limpeza foi usada como um padrão de valor por aqueles com poder para atribuir status social ― e logo, os “próximos a Deus”, os auto-proclamados sagrados que ficavam sobre o resto de nós na sociedade hierárquica, proclamaram que a sua limpeza, comprada com o esforço dos outros forçados a trabalhar para eles, era uma medida de sua “Divindade” e superioridade. Até hoje, aceitamos esta crença tradicional: que ser “limpo” de acordo com as normas sociais é desejável por si só.1940-10-20-gessy-sabonete-rainha-coroa2Deve ter ficado claro através da história de nossas idéias sobre “limpeza” que qualquer crítico aos valores aceitados em grande escala, qualquer radical ou roqueiro punk, deve suspeitar muito de grandes valores atribuídos a ficar “limpo” de acordo com os padrões tradicionais. Além disso, o que exatamente significa “limpo”?

Hoje em dia, a limpeza é mais definida por corporações vendendo “produzos de limpeza” do que por qualquer outro motivo. É importante manter isto em mente. Certamente, a maioria destes produtos tem uma capacidade fantástica de atravessar o pó e a sujeira naturais ― mas remover a poeira e sujeira naturais com químicos sintéticos constitui necessariamente na única forma aceitável de sanitização? Ficamos pelo menos tão assustades por estes produtos artificiais fabricados, como ficamos com um pouco de poeira, lama, suor, ou (deus nos livre!) uma mancha de comida ou sangue nas nossas camisetas? É importante saber de onde vem a “sujeira” e do que ela é feita!

A idéia de que vale a pena usar químico34e4bb41d288d10212a5fd53babff230s (quer sejam desodorantes, detergentes ou xampus) para erradicar sujeira orgânica também possui algumas implicações assustadoras. Primeiro, ela apóia a velha superstição cristã de que o corpo biológico é vergonhoso e deve ser escondido ― que nossos corpos e nossa existência como animais no mundo físico são intrinsecamente revoltantes e pecaminosas. Estes valores têm sido usados para nos manter inseguros e envergonhados, e, por conseqüência, à mercê dos padres e outras autoridades que nos dizem como ficar “puros”: antes, nos submetendo à sua divina negação do ser, e agora, gastando boa parte do nosso dinheiro em vários produtos de “higiene” que eles querem nos vender. E também, enquanto o capitalismo transforma todo o mundo de orgânico (florestas, pântanos, desertos, rios) para o inorgânico (cidades de aço e concreto, bairrossoap-ad de asfalto e gramados aparados, terras que foram limpas de todos seus recursos naturais, lixões), a idéia de que tem algo que é mais valioso em químicos sintéticos do que na sujeira natural implica que essa transformação possa ser uma boa coisa… e conseqüentemente justifica implicitamente a destruição do nosso planeta motivada pelo lucro.

Na verdade, estas corporações estão muito menos preocupadas com a nossa saúde e limpeza do que estão em nos vender seus produtos. Elas se utilizam do alto valor que damos à higiene para nos vender todo tipo de produto em seu nome. Quem sabe quais são os efeitos reais, de longo prazo desses produtos à nossa saúde? Sabemos que coelhos são violentados e expostos a deterioração de suas visões para que xampus e outros produtos de limpeza possam ser considerados seguros a seres humanos, por exemplo? Eles não se importam com nada disso. Se nós algum dia ficarmos doentes por usar seus detergentes especiais e xampus de alta tecnologia, ele podem nos vender outro produto ― remédios ― e manter as rodas da economia capitalista girando. E a vergonha de nossos corpos (pocoelho_testes_001r serem produtores de suor e outros fluídos naturais que consideramos “sujos”) que eles capitalizam para vender outros produtos que dependem da nossa insegurança: produtos para dietas, produtos para exercícios físicos, roupas da moda, etc. Quando nós aceitamos a definição de “limpeza” do capitalismo estamos aceitando a sua dominação econômica sobre nossas vidas.

Mesmo que elas concordem sobre a natureza questionável dos produtos de higiene de hoje, a maioria das pessoas ainda argumentariam que a higiene ainda é mais saudável que a sujeira. Até algum ponto isto é verdade ― provavelmente é uma boa ideia lavar o seu pé se você pisar em cocô. Mas além de casos óbvios como esse, existem milhares de padrões diferentes do que é limpo e o que é sujo ao redor do mundo; se você observar diferentes sociedades e civilizações, você vai se deparar com práticas de saúde que parecem suicidas pelos nossos padrões sanitários. E ainda assim, estas pessoas sobrevivem tão bem quanto nós. Povos na África alguns séculos atrás viviam confortavelmente num ambiente natural que destruiu muitos dos exploradores ocidentais mais asseados e polidos que vieram ao seu continente. Seres humanos podem se adaptar a uma grande variedade de ambientes e situações, e parece que a questão sobre quais tipos de sanitização são saudáveis é, pelo menos, tanto uma questão de convenção como de regras gravadas biologicamente. Tente violar alguma das regras do “bom senso” da higiene Ocidental alguma vez: você descobrirá que tirar comida do lixo e passar algumas semanas sem tomar banho não é tão perigoso ou difícil quanto lhe ensinaram.

abrir-numa-duplaTalvez a questão mais importante quando tratamos do valor pouco comum que damos à “limpeza” tradicional é o que perdemos ao fazer isso. Antigamente, antes de disfarçarmos nossos odores naturais com químicos, cada um tinha seu cheiro único. Esses cheiros nos atraíam uns aos outros e nos ligava emocionalmente através da memória e associação. Agora, se você tem associações positivas com o cheiro de alguém que você gosta, provavelmente é o seu perfume (idêntico ao perfume de milhares) que você gosta, não seu cheiro pessoal. E os feromônios naturais com os quais antes nos comunicávamos uns com os outros, e que jogavam uma parte importante na nossa sexualidade, foram agora completamente abafados por produtos químicos padronizados. Nós não sabemos mais o que é ser um ser humano natural,2c88ff8659c9dc6ee5de0f7aa9d515e9 cheirar como um animal de verdade. Quem sabe o quanto perdemos por causa disto? Aqueles que acham nojeira gostar do cheiro e do gosto das pessoas quando não se toma banho ou passa produtos sintéticos no corpo, quando se cheira como um ser humano de verdade, são provavelmente os mesmos que tremem ao pensar em arrancar um vegetal do solo e comê-lo ao invés do lanche feito pelo homem e enrolado em plástico que todos crescemos comendo. Nós ficamos tão acostumados com a nossa existência domesticada, projetada que nós nem sabemos o que estamos perdendo.

Então tente ter a mente mais aberta quando se tratar dos “sujinhos”. Talvez eles apenas cheirem mal porque você nunca teve a chance de descobrir como cheiram os seres humanos de verdade; talvez tenha algo de valor em “não se lavar” que você ainda não percebeu. A moral desta estória é a moral de toda estória anarquista: aceite somente as regras e valores que fazem sentido para você. Descubra o que é certo para você e não deixe ninguém lhe dizer que não ― mas também, se esforce para entender o que motiva os outros, e avaliar as suas ações pelos seus próprios padrões, e não de acordo com alguma norma padronizada.

capitalistasdesoTexto retirado do livro Dias de Guerra, Noites de Amor
Ed. Deriva, 2010
Tradução: Protopia
Disponível na web pelo link: http://pt-br.protopia.wikia.com/wiki/Dias_de_Guerra,_Noites_de_Amor

 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *